A VIDA É O QUE FAZEMOS DELA!

domingo, 29 de novembro de 2009

Vampiros

Segundo a lenda, vampiro é um ente mitológico que se alimenta de sangue humano.
O vampiro é um personagem muito comum na literatura de horror e mitológica, existindo tantas versões do seu mito quanto existem usos desse conceito. Alguns pontos em comum são o facto de ele precisar de sangue (preferencialmente humano) para sobreviver, de não poder sair na luz do Sol e de poder ser posto em torpor temporário por uma estaca no coração. Segundo a lenda, os vampiros podem controlar animais daninhos e noturnos, e possuem um poder de sedução muito forte. Formas de combatê-los incluiriam o uso de objetos com valor sagrado tais como hóstia consagrada, rosários, metais consagrados, alho, água benta, etc.
Histórias sobre vampiros são bastante antigas e aparecem na mitologia de muitos países, principalmente dos da Europa e do Médio Oriente, na mitologia da Suméria e Mesopotâmia, onde surge como filho de Lilith. Contudo as referências mais antigas a seres vampíricos vêm do Antigo Egito, destacando-se neste mitologia a sanguinária Sekhmet e o Khonsu do Pre-Dinástico, como é bem visível na tradição vampírica da Aset Ka.
Os gregos acreditavam em lamias, metade mulher e metade serpente que devoravam crianças e bebiam o sangue de jovens e nos Vrikolokas, esses vampiros seriam fruto da maldição de Zeus sobre os filhos de Licaon, e um deles, Vrikolas, originou uma espécie de vampiro que também poderia virar lobo.
A influência mais forte para o conceito atual de vampiro, foi o tipo vampírico Strigoi, de origem eslava e que predomina na Romênia.




Ocultismo


O vampirismo é também uma vertente obscura e misteriosa dos estudos ocultistas, baseado em espiritualidade predatória. Os conceitos de vampirismo sob esta análise distinguem-se do vampirismo observado na ficção bem como os conceitos espalhados pela sua mitologia. É uma antiga tradição de mistérios, em que os seus defensores referem que data desde os tempos do Antigo Egito. Grande parte do conhecimento sobre esta tradição, denominada por Asetianismo, são mantidos por uma antiga ordem de mistérios que dá pelo nome de Aset Ka, cuja influência na sociedade ocultista é reconhecida a nível internacional, e cuja sede em Portugal encontra-se localizada na cidade do Porto.
O livro central relativo à tradição vampírica é a Aetian Bible, a Bíblia Asetiana, cuja versão de acesso público foi publicada em 2007 pela Aset Ka e escrita por Luis Marques, um autor de origem Portuguesa reconhecido internacionalmente como especialista em simbologia antiga, mitologia e religião. O texto explora toda a componente filosófica e espiritual da tradição Asetiana, bem como as suas práticas metafísicas e rituais religiosos de origem Egípcia, com grande influência do simbolismo milenar do Médio Oriente. Toda a cultura vampírica é assim analisada ao pormenor, bem como a evolução do arquétipo vampírico desde os tempos antigos até aos modernos e onde a influência do simbolismo vampírico é explorado na forma como influênciou a sociedade ao longo dos tempos.





Vlad Tepes


"Vlad o Empalador", (1428-1476 ) conhecido no mundo inteiro como Drácula, nasceu na cidade-burgo de Sighisoara , onde atualmente se encontra de pé a casa onde nasceu Vlad Tepes; Bucareste. Vlad Tepes, "O empalador", melhor conhecido como "Drácula"(Draculea), palavra que quer dizer "O filho do Demônio ou do Dragão", devido à crueldade com a qual se caracterizou durante sua vida., Vlad Tepes, foi um dos três filhos legítimos de Vlad "O Diabo", príncipe de Velaquia (antigo principado danubiano, que formo com Moldávia o reino de România). O velho Vlad ganhou por méritos próprios o apelido de "Dracul" (O Diabo) pela sua afamada crueldade e sangue frio e que posteriormente herdaria seu predecessor, Vlad Tepes. O pai de Vlad Tepes residia ali em uma mansão que hoje ainda se conserva (Bran Castle). Vlad Tepes há passado à história pelo seu apelido Drácula (provem de "Draculea". Vlad Tepes reinou como príncipe de Velaquia em 1448; de 1456 a 1462, e finalmente em 1476, ano de sua morte). Vlad Tepes teria problemas desde jovem. A trágica morte de seu pai, que foi executado por Iancu de Hunedoara em 1447, obrigou ao jovem Vlad Tepes a colocar-se ao lado dos turcos, adversários de Iancu, com cuja ajuda ascedeu ao trono de Velaquia em setembro de 1448, e mesmo que o príncipe Vladislav II, pretendente ao trono, e apoiado pelos hungareses e a população de origem alemã, foi derrotado em Kossovo (ao norte do atual Macedônio junto ao rio do mesmo nome) e só conseguiu conservar o trono umas poucas semanas. Da vida e graça de Vlad Tepes se conhece muito pouco até o ano 1456. Durante estes anos, Vlad Tepes foi separando-se dos turcos e estreitando as relações com seu inimigo Iancu de Hunedoara, o que sim era moralmente recusável, era sem embargo muito prático. Esta repentina virada política se manifestava só em uma coisa: o desejo para Vlad Tepes de voltar a reinar em Velaquia. Vlad Tepes seguia atenciosamente as crescentes desavenças entre Vladislav e Iancu até que no dia 23 de abril de 1452, Iancu iniciava a guerra, arrebatando a sua rival as cidades e propriedades que possuía em Transilvânia, circunstância que aproveitou Vlad Tepes para oferecer-se ao vencedor como pretendente ao governo destas, solicitando sua ajuda e prometendo lhe uma "fidelidade inquebrantável". Vlad Tepes, desejando conservar seu trono, solicitou e obteve o comando de um pequeno exército aproveitando a intervenção na guerra do monarca hungarês Ladislao V de Habsburgo, Arquiduque da Áustria e Rei de Boêmia, que via ameaçados seus interesses na região. No ano 1459, Vlad Tepes ordenou empalar a alguns rebeldes destacados e arrojar ao fogo a outros, sendo este o macabro e tortuoso início de sua carreira de crueldades. Consolidado seu trono, Vlad Tepes se alçou contra os turcos aos quais não lhes pagava os tributos que estes exigiam há três anos. Animado pelo sucesso, Vlad Tepes se passou à margem direita do Danúbio, incendiando e saqueando após derrotar as tropas turcas. Vlad Tepes, tinha como castigo favorito para o empalar a seus inimigos, o qual, lhes fazia sofrer uma horrível morte lenta e dolorosa. Vlad Tepes não podia opor mais de dez mil homens e recorrer a táticas como a guerrilha, a tão recorrida tática contra forças mais numerosas que utilizaria vercingétorix contra Julio César, o exército Vietnamita ou a resistência espanhola contra Napoleão, e a "terra queimada" (primavera / verão de 1462). As circunstâncias que permitiram a Vlad Tepes, livrar-se da prisão não estão muito claras, mas é sabido que tomou parte na batalha de Vaslui (na região de Jashi, Moldávia), no dia 10 de Janeiro de 1475, fazendo parte do contingente enviado pelo Rei da Hungria ao príncipe transilvano Esteban Báthory contra os turcos. O curioso e por outro lado certo, é que Vlad Tepes voltava a ocupar seu trono no dia 11 de Novembro de 1476. Semanas mas tarde, os turcos surpreenderam a Vlad Tepes desprevenido com uma escolta de só duzentos homens (dos quais só sobreviveram dez para contá-lo) e lhe deram morte. A cabeça de Vlad Tepes foi enviada a Istambul e exibida publicamente. O lugar oficial do enterro de Vlad Tepes é o mosteiro de Snagov, no lago Snagov, perto de Bucareste. Bram Stoker, o conhecido autor da obra "Drácula" se inspirou no personagem de Vlad Tepes, e é o fator principal da popularidade mundial deste personagem. A derruba de Vlad Tepes, onde se diz que encontraram um corpo decapitado e ricamente vestido. Lhe sucedeu seu irmão Randu, que reino até setembro de 1500. Bram Stoker baseou sua novela Dracula (publicado em 1897) sobre a figura histórica de Vlad Tepes. O que sabia Stoker sobre a vida e as atrocidades de Vlad Tepes é confuso, certamente ele estava inteirado de Vlad somente de uma referência em um livro da história obtido da biblioteca de Whitby. Em qualquer acontecimento, Drácula de Bram Stoker lhe ajudou enormemente a popularizar a região e a fazer de Vlad Tepes uma das figuras medievais muito bem conhecidas que viveram eternamente.




Na Literatura


Alguns dos vampiros mais famosos no campo da literatura e das artes são Drácula de Bram tocker, Lestat de Lioncourt e Louis de Point du Lac de Anne Rice, Nosferatu, Damon e Stefan Salvatore de L.J.Smith e Morbiu dos quadrinhos do super-herói aracnideo, o Homem aranha; Sookie's Novels de Charlaine Harris, série literária Anita Blake e Laurell K. Hamilton, série literária de Stephenie Meyer, entre muitos outros. No Brasil, os mais famosos são Zé Vampir (de Mauricio de Souza), Bento Carneiro o vampiro brasileiro (personificado por Chico Anysio), o Conde Vlad, personagem da novela Vamp interpretado pelo cômico ator Ney Latorraca, Natasha, a vampira roqueira vivida por Cláudia Ohana, a Liz Vamp filha do Zé do Caixão com uma Vampira cigana inglesa chamada de Elizabeth Hart (Segundo a Liz, o pai não gosta de Vampiros, mas o convenceu a deixar que ela fosse vampira, criando a história que o Zé do Caixão havia tido uma filha com uma vampira) e o Bóris Vladescu o vampiro da época medieval (personificado por Tarcísio Meira). Há inúmeros literatos brasileiros destacando-se com a produção de obras vampíricas.
Voltaire, escreveu uma longa entrada sobre vampiros no seu Dicionário Filosófico. Dessa obra faz parte a seguinte definição de vampiro:
"Estes vampiros eram corpos que saem das suas campas de noite para sugar o sangue dos vivos, nos seus pescoços ou estômagos, regressando depois aos seus cemitérios. "
Rousseau escreveu também em uma carta ao Arcebispo de Paris: ‘Se alguma vez existiu no mundo uma história provada e digna de crédito, é a dos Vampiros. (...) Não falta nada: autos, certificados de homens notáveis, de cirurgiões, clérigos e juízes. A prova jurídica abarca tudo. Com tudo isto, quem acredita, pois, nos Vampiros?’.
Karl Marx compara o capitalista com o vampiro: "o capital é trabalho morto que, como um vampiro, vive somente de sugar o trabalho vivo e, quanto mais vive, mais trabalho suga (...) o prolongamento do dia de trabalho além dos limites do dia natural, pela noite, serve apenas como paliativo. Mal sacia a sede do vampiro por trabalho vivo (...) o contrato pelo qual o trabalhador vendeu ao capitalista sua força de trabalho prova preto no branco, por assim dizer, de que dispôs livremente de si mesmo. Concluído o negócio, descobre-se que ele não era um 'agente livre', que o momento no qual vendeu sua força de trabalho foi o momento no qual foi forçado a vendê-la, que de fato o vampiro não largará a presa 'enquanto houver um músculo, um nervo, uma gota de sangue a ser explorada' (citação de um texto de 1845 de Friedrich Engels)."






Vampiros Eric e Bill da série True Blood




Markus Corvinus




Na televisão



A Rede Globo, no Brasil, já exibiu duas telenovelas abordando o tema. A primeira foi Vamp, de 1990, e a segunda foi O Beijo do Vampiro de 2002.
A série Moonlight (2007-2008), tem o enredo girado em torno de vampiros. O protagonista é Mick St. John (Alex O’Loughlin), um detetive particular ao estilo noir, que descreve seus pensamentos enquanto se envolve em casos exóticos. Ele se tornou vampiro há mais de meio século, em 1952, quando foi mordido pela vampira Coraline (Shannyn Sossamon). Ela era sua noiva e o transformou no dia do casamento. Mick a abandonou com raiva e repulsa, mas nunca se viu livre dela, que ainda o ama.
Muito da mitologia dos vampiros é deixado de lado: eles podem andar sob a luz do Sol, embora não por muito tempo, não morrem com estacas (só ficam paralisados) ou água benta e são neutros quanto ao alho. Já no piloto da série, Mick encontra uma pessoa do passado, Beth Turner (Sophia Myles), uma jornalista que ele salvou da sua esposa maligna há vinte e dois anos e pela qual se apaixona. O elenco principal se completa com o mentor de Mick, Josef (Jason Dohring), um vampiro sarcástico e centenário.
A série foi cancelada após 16 episódios - com apenas uma temporada.


Angel - A Série Angel, assim como Buffy, é uma série riquíssima em substância. Foi concebida como uma metáfora para redenção e consciência moral, pois o vampiro Angel, depois de ter sua alma restaurada por uma maldição cigana (quando um membro foi assassinado por ele), passou a viver na angústia de seus horrendos atos do passado, buscando todo meio de se redimir, ajudando os indefesos. Primeiro, ele foi á Sunnydale ajudar Buffy Summers em sua caçada (na série Buffy), mas eles se apaixonaram, e ao encontrar a felicidade completa nos braços dela, Angel perdeu a alma novamente (como parte da maldição). Voltou a ser o vampiro inescrupuloso chamado Angelus, enfrentando Buffy até a morte. Porém, Angel conseguiu sua alma de volta, e apesar de quererem tentar, tanto ele quanto Buffy sabiam que o relacionamento nunca daria certo. Angel então deixa Buffy e parte para Los Angeles, em sua própria caçada contra o mal. Começa então a série Angel.



Caminhos do Coração/ Os Mutantes - Caminhos do Coração/ Mutantes - Promessas de Amor


Atualmente a Rede Record transmite a terceira temporada de Caminhos do Coração, e segunda temporada de Os Mutantes - Caminhos do Coração, a novela "Mutantes - Promessas de Amor" que sucede "Os Mutantes - Caminhos do Coração" que sucedeu "Caminhos do Coração". É uma série de Tiago Santiago, a trama conta a história de seres geneticamente modificados, nascidos numa mesma clínica no Guarujá em São Paulo ( lembra o entedo do filme Scanners- Sua mente pode destruir ). Criados pela Dr. Júlia, a médica que mudou os genes dessas pessoas fazendo-as terem poderes especiais. Uma dessas invenções foram os vampiros, que aterrorizam a cidade espalhando o seu vírus pela população.




True Blood-Serie

True Blood (Sangue Fresco, em Portugal/True Blood,no Brasil) é uma série de TV dramática estadunidense criada por Alan Ball, baseada na série de livros Sookie Stackhouse. O programa é exibido pela HBO nos Estados Unidos e foi ao ar pela primeira vez no dia 7 de Setembro de 2008. A segunda temporada da série estreou em 14 de Junho de 2009.
True Blood fala sobre a co-existência de vampiros e humanos em "Bon Temps", uma pequena cidade fictícia localizada no Louisiana. A série é focada em Sookie Stackhouse (Anna Paquin), uma garçonete telepata que se apaixona pelo vampiro Bill Compton (Stephen Moyer).
A série é vencedora de um Globo de Ouro e dois Satellite Awards.
Vai ao ar no Brasil pela HBO, domingo às 22h horário de Brasília.



Theatre des Vampires




Vampirella

Vampirella é uma personagem de banda desenhada criada por Forrest J. Ackerman em 1969, e que estreou na antiga editora norte-americana Warren, nas páginas de Creep e Eerie e que posteriormente ganhou uma revista própria. Originalmente, ela é uma vampira extraterrestre de um planeta tendo dois sóis chamado Drakulon (ou Draculon). Apesar de idealizador, Ackerman não a finalizou sozinho, tendo influência direta de outros nomes importantes como Trina Robbins e Frank Frazeta, que definiram a roupagem e o desenho original dela, respectivamente. Mas também teve outros artistas igualmente importantes como Tom Sutton, José Gonzales, Enrich, Sanjlian, Gonzalo Mayo e outros.
*




Castlevania

Helsing







Drácula - Gary Oldman
Bram Stocker, reacende o carisma dos vampiros com sua obra Drácula, onde o imagem do vampiro forte, dominador, galante e poderoso, seduz eternamente o público. Essa chama foi alimentada por dezenas...centenas, de literatos, poetas, diretors e produtores de cinema e tv, ilustradores, criadores de games e RPGs, enfim, por todos.
O vampirismo contemporâneo, chegou ao patamar de culto, estilo de vida, organização social e fomentador de inúmeros grupos e movimentos sociais.




Os vampiros tem uma grande influência no cinema de vários países.

Blade - Trilogia
Nesta trilogia, Wesley Snipes interpreta o meio-vampiro (Dhamphir) Blade, caçador de vampiros que protege a raça humana.
Entrevista com o Vampiro

Clássico do cinema inspirado na obra homonina de Anne Rice, conta a historia de Loui de Point du Lac, um belo jovem que é assediado por Lestat, um vampiro, que recebeu a maldição sem ao menos saber como funcionava, e desde então todos a quem ele pretende "transformar", é dada a escolha da morte ou da vida eterna como Vampiro.
O filme passa-se durante um relato feito por Louis a um repórter, contando a historia de sua vida ao longo dos séculos. Mostra principalmente o paradoxo vivido por ele, que tendo se tornado um monstro, tenta manter seu lado "humano" soberano.

Os Viciosos (The Addiction, 1995)

Estudante de filosofia é arrastada para um beco por uma estranha mulher e mordida no pescoço. Aos poucos, sua necessidade por sangue começa a ser tão grande quanto à de um viciado por drogas. Alegoria que utiliza o vampirismo como metáfora para o vício, porém sem citar o termo "vampiro" em nenhum momento, discutindo o mal intrínseco à raça humana por meio da lenda.

Drácula 2000 (A Trilogia)

O início se dá com um grupo de ladrões high tech que prova a inexistência de sistemas de segurança invioláveis. Ao invadir a loja de antigüidades, eles esperam encontrar peças valiosas, ouro e dinheiro. Mas deparam apenas com uma velha cripta de prata e resolvem levá-la embora. Não têm a menor idéia do que estão carregando e de que vão entrar na maior encrenca de suas existências. Ao retornar à vida, o Drácula (Gerard Butler, de Sua Majestade - Mrs. Brown) moderno passa a buscar a mulher de sua vida, aquela que foi criada para ele.

Rainha dos Condenados

Continuação do Clássico do cinema inspirado na obra homonima de Anne Rice. O vampiro Lestat reinventou a si mesmo e agora é uma grande estrela do rock contemporâneo nos Estados Unidos. Sua música acaba despertando Akasha, a rainha de todos os vampiros, cujo poder é tão grande que para combatê-la todos os vampiros da face da Terra precisarão se unir a fim de evitar sua própria extinção. Mas assim como a música de Lestat inspira Akasha, que deseja fazer dele seu rei, ela também faz com que Jesse, uma jovem fascinada pelo lado negro da vida, se apaixone por Lestat.

Anjos da Noite (Underworld, 2003)

O filme conta a história da guerra sangrenta e milenar entre Vampiros e Lycans (lbiomens). A história é a missão de Selene, uma vampira, descobrir porque Michael, um humano, é perseguido pelos lycans. Quando Michael é transformado em lycan, a guerra, até então apagada pela suposta morte de Lucian, o senhor dos Lycans, é novamente travada. No decorrer da história, eles se apaixonam, e infrigem as regras de suas espécies, tornando Michel o primeiro híbrido (metade vampiro, metade lycan, mais forte que ambos) da história.

Crepúsculo (Twilight, 2008)

O filme retrata a vida de Isabella(Bella) Swan que muda-se para a casa de seu pai quando sua mãe casa-se novamente. Na nova e estranha chuvosa cidade - Forks - ela passa a estudar na escola local, é quando conhece e apaixona-se por Edward Cullen, um lindo jovem que esconde um grande segredo.Bella e Edward passam a conversar e então começam a namorar, assim ela descobre que seu namorado na verdade é um vampiro. Mas, por estar muito apaixonada, continua sua relação, sempre confiando sua vida a ele.Após um tempo juntos, Bella conhece a família de Edward, que lhe aconchega de modo bastante agradável. Então, num belo final de tarde com tempestade, Bella, Edward e os Cullen jogam beisebol tranquilamente, quando um trio de vampiros resolvem "passar para dizer um oi!", ali descobrem que Bella não é vampira e começa uma caçada.Bella foge com a ajuda da família de Edward, mas em um certo momento é enganada por um integrante dos vampiros que a caçam, e vai para uma emboscada, lá é mordida. Assim, Edward deve tomar uma importante decisão. Deixá-la transformar-se em um deles ou então sugar o veneno de seu sangue - o que poderá matá-la se ele não parar no momento certo.Muito preocupado, resolve salvá-la de ser um "monstro", e começa a sugar seu sangue, que após um tempo já está limpo, mas Edward encontra dificuldades em parar e quase mata sua amada.Bella, já recuperada, e Edward vão para o baile de formatura, onde ela diz querer ser vampira e viver eternamente ao lado dele.

Deixa Ela Entrar (Let The Right One In, 2008)

Oskar, um garoto introspectivo que sofre por brincadeiras de mal gosto por parte de seus colegas de escola, descobre o amor e a vingança quando conhece Eli, sua estranha vizinha. Com o tempo, Oskar ficará sabendo que Eli não é apenas uma garota comum, mas sim um vampira que torna-se sua amiga e passa a protegê-lo.



Amor à Primeira Mordida (Love at First Bite, EUA, 1979. Dirigido por Stan Dragoti)

No longa “Amor à Primeira Mordida”, Drácula se muda para Nova York para encontrar a pessoa que ele acredita ser a reencarnação de sua amada Mina Harker, após ser forçado a deixar o castelo da Transilvânia.
Lá, ele se depara com situações do dia-a-dia de Nova York enquanto busca pela modelo Cindy Soundheim. No entanto, o namorado de Cindy, o Doutor Jeff Rosenberg, percebe que ela está sob influência de um vampiro e faz o possível para convencer a polícia sobre o que está acontecendo.
A dificuldade aumenta quando Cindy se apaixona por Drácula, e não sabe se deve se render aos encantos do vampiro ou tentar voltar a sua vida normal.
O longa, lançado em abril de 1979, arrecadou um total de U$ 43 milhões nas bilheterias, e alcançou o décimo lugar na lista dos filmes mais visto com temática vampiresca.

Van Helsing – O Caçador de Monstros (Van Helsing, Estados Unidos e República Tcheca, 2004. Dirigido por Stephen Sommers)

O longa do gênero vampiresco que mais arrecadou em todos os tempos é “Van Helsing – O Caçador de Monstros”, estrelado por Hugh Jackman e Kate Backinsale – que também protagoniza o longa “Anjos da Noite”. O longa arrecadou U$ 120 milhões apenas nos Estados Unidos, e é também o 16.º filme mais visto em 2004.
A trama conta a história de Gabriel Van Helsing, um homem amaldiçoado que não se lembra de seu passado, porém é instigado a seguir uma missão que ele não pode negar.
Uma organização secreta oferece a ele a missão de defender as pessoas do mal e derrotar criaturas das trevas. No entanto, ele acaba por receber o título de assassino ao invés de ser reconhecido por seu esforço.

Os Garotos Perdidos é um clássico do terror; a dupla de Coreys (Corey Feldman e Corey Haim) arrasa geral neste filme, marcou minha adolescência e de muita gente. O mais divertido do gênero ao lado de Deu a Louca nos Monstros.

Um Drink no Inferno, muita ação como nunca se tinha visto em filmes de vampiro, eu gostei muito quando vi, me surpreendeu a forma como foi apresentado. O filme de mais ação trash do gênero.

A Hora do Espanto, sucesso total na década de 80, mais um veterano de sessão de terror. Cativamente ao ponto de neste momento eu querer ver ele de novo.
*
A Dança dos Vampiros - Roman Polanski
Drácula - Tod Browning
Nosferatu - F.W. Murnau
Nosferatu - Werner Herzog
Rosas de Sangue - Roger Vadim
O Vampiro da Noite - Terence Fisher
Vampiros de John Carpenter - John Carpenter
Vampyr - Carl Theodor Dreyer
Nosferatu -1922
Drácula - 1931
Drácula - 1931 (Dublado)
O Vampiro - 1932
A Filha de Drácula - 1936
O Filho de Drácula - 1943
O Retorno do Vampiro - 1944
A Casa de Drácula - 1945
Drácula: Vampiro da Noite - 1958
As Noivas do Vampiro - 1960
Mortos Que Matam - 1964
Drácula: O Príncipe das Trevas - 1966
A Dança dos Vampiros - 1967
Drácula: Perfil do Diabo - 1968
The Rape Of The Vampire - 1968
O Sangue de Drácula - 1969
Conde Drácula - 1970
O Conde Drácula - 1970 (Hammer)
Carmilla: A Vampira - 1970
Valeria e Sua Semana de Deslumbramentos - 1970
Luxúria de Vampiros - 1971
Vampyros Lesbos - 1971
The Shiver Of The Vampire - 1971
Requiem For A Vampire - 1971
Blácula: O Vampiro Negro - 1972
Kolchak e os Demônios da Noite - 1972
O Circo dos Vampiros - 1972
Scream Blacula Scream - 1973
Os Ritos Satânicos de Drácula - 1973
Hannah: Na Ilha Dos Vampiros - 1973
A Lenda Dos Sete Vampiros - 1974
As Filhas de Drácula - 1974
Lips Of Blood - 1975
Enraivecida Na Fúria do Sexo - 1977
Nosferatu: O Vampiro da Noite - 1979
Amor à Primeira Mordida - 1979
Vampiros de Salém - 1979
Fome de Viver - 1983
A Hora do Espanto - 1985
A Hora do Espanto (Dublado) - 1985
Procura-se Rapaz Virgem - 1985
Garotos Perdidos - 1987
Quando Chega a Escuridão - 1987
A Hora do Espanto II - 1989
Um Estranho Vampiro - 1989
Subspécies: A Geração Vamp - 1991
Entrevista com o Vampiro - 1992
Buffy: A Caça-Vampiros - 1992
Drácula de Bram Stoker - 1992
Subspécies 2: Bloodstone - 1993
Nadja - 1994
Drácula: Morto, Mas Feliz - 1995
Os Viciosos - 1995
Bordel de Sangue - 1996
Um Drink no Inferno - 1996
Voo Noturno - 1997
Blade: O Caçador de Vampiros - 1998
Um Drink no Inferno II - 1999
Um Drink no Inferno III - 2000
A Sombra do Vampiro - 2000
Jesus Cristo: Caçador de Vampiros - 2001
Blade II - 2002
A Rainha dos Condenados - 2002
Anjos da Noite: Underworld - 2003
Drácula 3000 - 2004
Blade Trinity - 2004
Van Helsing - 2004
Guardiões da Noite - 2004
G uardiões do Dia - 2006
Anjos da Noite: A Evolução - 2006
Anjos da Noite: A Evolução (Dublado) - 2006
Bloodrayne - 2006
Bloodrayne (Dublado) - 2006
Drácula - 2006
Os Hamiltons - 2006
A Última Seita - 2006
3 0 Dias de Noite - 2007
Bloodrayne II - 2008
Bloodrayne II (Dublado) - 2008
Garotos Perdidos II: A Tribo - 2008
Deixe Ela Entrar - 2008
Crepúsculo - 2008
Crepúsculo (Dublado) - 2008
Anjos da Noite: A Rebelião - 2009
Anjos da Noite: A Rebelião - (Dublado) - 2009
Bled - 2009
Matadores de Vampiras Lésbicas - 2009
Blood: The Last Vampire - 2009
Vampitheatre - 2009

Bem, são milhares...nem conseguiria listar todos mas não pode faltar os melhores:
Christopher Lee - Drácula:
Dirigido por Terence Fisher, com Christopher Lee no papel do Conde e Peter Cushing no de Van Helsing, The horror of Drácula ( 1958 ) redefiniu o cinema de vampiro, estabelecendo um estilo que dominaria o mercado até os anos 70. E na memória do público da geração pós-Lugosi, Mr. Lee é que está gravado como o Drácula definitivo.

Christopher Lee é O CARA quando se fala em interpretar vilões. Ele já foi o Scaramanga, Saruman, Conde Dokan, mas certamente a interpretação mais significativa e emblemática do ator é como o Conde Drácula...o seu Drácula sabia ser galante, mas também não alisava quando era pra ser aterrorizante!


Drácula - Christopher Lee














As Crônicas Vampirescas de Anne Rice

Drácula - Bela Lugosi
No final da década de 30, em uma substituição de última hora no elenco, produtores de um novo filme não tiveram escolha senão a de chamar um ator húngaro, da Broadway, que atuara em uma adaptação do livro de Stoker para os palcos: Bela Lugosi. Ator de formação shakespeariana, ele não só tinha o sotaque húngaro e a postura de nobre europeu, como doou à personagem uma aura sexual dominadora e uma fina ironia. Drácula achara finalmente seu rosto.
A Hora do Espanto I
A Hora do Espanto II
*


Cultura Vampiresca Contemporânea

Primeiro foi Drácula, de Bram Stocker, uma das obras literárias mais conhecidas do mundo, escrita em 1897 e que colocou vampiros, o Conde Vlad e a Transilvânia no imaginário popular. Em 1922, surge o filme Nosferatu do alemão Murnau, totalmente copiado do livro de Stocker e inaugurando fascínio do cinema por esse tipo de personagem. Depois disso, veio Bela Lugosi com seu indefectível fraque, seguido de Christopher Lee em produções maravilhosas, Cris Sarandon em A Hora do Espanto, Anne Rice com Lestat e suas crônicas vampirescas até chegarmos nos dias de hoje, com os sugadores de sangue mais em voga do que qualquer outro personagem fictício.

Na TV, temos True Blood, da HBO, que estreou sua segunda temporada com uma audiência de 3,4 milhões de espectadores e, no dia 17 de setembro, começa nos Estados Unidos o seriado The Vampire Diaries focado em uma garota vampira e seus conflitos com a família. Ainda no cinema, a série Crepúsculo atrai legiões de fãs, especialmente entre adolescentes. Os japoneses atacam com Blood: the Last Vampire. E produções, como o excelente Deixe Ela Entrar, do sueco Tomas Alfredson, se tornam merecidamente cult. Até mesmo o premiado diretor de terror, Guillermo del Toro (de Hellboy e O Labirinto do Fauno) se rende às criaturas da noite na série de livros Noturno (em breve em uma sala de cinema perto de você).O jornal americano The New York Times publicou recentemente uma matéria tentando explicar os motivos do fenômeno que está atingindo os mais diversos meios culturais em todo o mundo. "O vampiro é o novo James Dean e existe algo muito tranquilo e sexy nesses jovens e eróticos predadores", disse Julie Plec, roteirista e produtora executiva de The Vampires Diaries. Sensualidade e beleza são obviamente atrativos e nisso os vampiros o tem.Na literatura moderna sobre esses personagens, eles são regularmente descritos como belíssimos e refinados. Além disso, aliam uma corrupção de padrões morais com glamour. "Eles despertam nas pessoas o questionamento de que tipo de monstro seríamos se simplesmente nos soltássemos sem limites", disse o estilista Rick Owens, cujas peças em estilo gótico evocam os mortos-vivos.A moda, aliás, também está sucumbindo à vampiromania. A edição de junho da badalada revista W. trouxe as andróginas criaturas em seus ensaios e a Vogue italiana aproveitou a tendência para apresentar modelos travestidas de vampiros, inclusive com sangue na boca. O estilo predominante agora, aliás, são os vestidos longos em em couro e e com muitos laços.É bom lembrar que esse glamour predatório também já havia sido personificado por dois grandes ícones do mundo fashion, Catherine Deneuve e David Bowie, quando estrelaram o terror-chique dos anos 80 Fome de Viver. No filme, viviam dois imortais apreciadores de plasma extremamente ricos, elegantes e bonitos. E quem não gostaria de ser assim?Existem também outras teorias que explicam o ressurgimento dos vampiros na sociedade contemporânea. O professor Michael Dylan Foster, do departamento de folclore da Universidade de Indiana afirma que especialmente depois dos atentados de 11 de setembro, a vigilância extrema e as teorias da conspiração inspiraram obras como Crepúsculo, já que ela foca justamente no temor de que algo secreto e perigoso ronda nossa sociedade (e de uma certa maneira, é a mesma premissa de True Blood, com vampiros "saindo do armário").Já o professor Thomas Garza, do departamento de estudos eslávicos e eurasianos da Universidade do Texas, vai um pouco mais longe. "Períodos de guerra, depressão econômica e desordem cultural aumentam a produção de ficção fantástica e focadas em vampiros. O conflito acaba voltando-se para dentro da pessoa quando passamos a questionar nosso status moral, político e fiscal. `Será que estamos sendo excessivos? Deveríamos nos conter mais?'. E hoje paracemos estar fazendo essas questões de novo", afirmou.E nem os vampiros escapam desses questionamentos. Desde que o morto-vivo Louis tinha suas crises depressivas na obra de Anne Rice, Entrevista com o vampiro, que alguns desses personagens tentam ter algum tipo de padrão de comportamento aceitável no meio dos humanos.O próprio Edward, de Crepúsculo, é um verdadeiro cavalheiro. Apaixonado por Bella, reluta ao máximo em lhe sugar o sangue, já que se sentiria um monstro se o fizesse. E assim, obviamente, leitores e espectadores conseguem se identificar de imediato com uma figura fictícia. "Existem monstros tão maiores e mais realistas no nosso dia-a-dia, que ter alguém mordendo nosso pescoço e secando nosso sangue não parece tão assustador assim.", disse Emily Rose, uma poeta de Chicago, devotada à vampiromania. Na abertura de Fome de Viver, enquanto os vampiros escolhem suas vítimas em uma boate, o grupo Bauhaus canta 'Bela Lugosi is dead'. Seguramente os novos sugadores de sangue abandonaram o fraque e o sotaque do leste europeu para andar entre nós. Bela Lugosi está mesmo morto. Assim, longa vida a Edward Cullen, Bill Compton, Lestat e Eli.




O perfil filosófico do vampirismo

"O milagre da relação erótica masculina é o de uma total confiança e abandono endereçados somente ao prazer, sem qualquer dever, compromisso ou coerção." - Francisco Alberoni

Senhores, creio que é quase impossível filosofar sobre vampirismo sem falar em sexo, prazeres, orgias, e sonhos fantasmagóricos, afinal um assunto tão complexo deverá por força encarnar na sua essência uma apologia direta ao culto do erotismo, Onde a estética de um belo corpo, jovem e saudável, pode ser fonte inesgotável de prazer e vida! O vampirismo caracteriza-se basicamente por um perfil aristocrata de personalidade e segundo J. Gordon Melton, que estudou profundamente por mais de trinta anos seguidos sobre o assunto, no prefácio "O que é um vampiro", do famoso "Livro dos Vampiros", temos as seguintes palavras: "A definição comum, nos dicionários, serve como referência para a investigação: vampiro é um cadáver reavivado que levanta do túmulo para sugar o sangue dos vivos e assim reter a aparência da vida". Somente nesta idéia central já se evoca a horrenda imagem de um corpo morto em estado hipnótico ou de alucinação, reavivado por um poder diabólico direcionado contra o princípio das eternas leis naturais de vida e morte dentro do monismo da natureza! É exatamente aí que prevalece a força indestrutível do mito como encarnação de um antigo horror endêmico herdado pelo inconsciente coletivo, à civilização moderna e contemporânea. As primeiras hordas de seres humanos primitivos, habitantes de cavernas, não tinham um conhecimento científico-biológico sobre a função do sangue no corpo vivo. Eles observaram porém, que quando um animal perdia sangue, a vida também abandonava o corpo... O mesmo se dava com o ente humano e em muitos casos, o sangue humano foi bebido no intuito de "transferir a vida" do semelhante ao corpo do que havia ingerido o sangue, num macabro ritual onde a violência e o crime foram atos decisivos num combate. O sangue simboliza de alguma forma o "espírito" dos animais, a própria vida animada na criatura viva, e no homem este significado transfigurou sua própria imagem a um universo mítico, ilustrado por ritos e crenças das mais variadas naturezas. O vampirismo nasceu já de alguma forma exatamente quando um homem primitivo bebia o sangue de seu inimigo acreditando herdar do mesmo toda a vida, coragem e ferocidade! Bebia-se o sangue em um ritual de triunfo e rigozijo em comunhão ou numa orgia, num deleite que causava prazer acima de tudo por vencer o rival que antes era uma ameaça, disputando o direito de gozar as fêmeas da ordem primeva, as mulheres agrupadas em submissão absoluta!

Neste período da pré-história da humanidade, já se traçava um perfil marcante e fundamental do culto do vampirismo, ou seja, beber sangue numa volúpia selvagem e irracional, abusando do próprio instinto! A carne humana também podia ser comida num ritual antropofágico de primitivo canibalismo. Daí também se pode extrair num paralelo, o mito do lobisomem, um monstro que come carne humana! O alemão Hans Staden descreveu situações desta natureza, há quatrocentos e cinquenta anos e muito próximo de nós, aqui mesmo no Brasil, no seio de tribos indígenas primitivas. Sua obra publicada por volta de 1557 em Marburg, na Alemanha, tinha o seguinte título que chegava a ser extravagante: "Descrição verdadeira de um país de selvagens nus, ferozes e canibais, situado no Novo Mundo, América, desconhecido da terra de Hessem antes e depois do nascimento de Cristo". Porém, as alusões mais antigas a respeito de tais práticas como beber sangue humano ou comer carne humana remontam a milênios da história natural. Mas estes "estranhos" modos de comportamento humano só puderam ser estudados nos últimos duzentos anos de avanço científico, através das duas catedras, rainhas absolutas do verdadeiro conhecimento humano, a psicanálise ou psicologia, e a antropofagia. Através do estudo aprofundado de certas tribos indígenas ou de negros, puderam-se compreender de alguma forma como estes grupos comportam-se e como comportava-se o homem de sessenta mil anos atrás. Os ritos e as práticas religiosas variam em abundância os aspectos principais, porém, tem um só elo em comum, ou seja, a plena consciência da temida morte! A morte entra em cena como uma das principais personagens da odisséia do vampirismo, não como mito de ficção, mas uma amarga e dura realidade a tudo que vive! Posso fazer um trocadilho de palavras chaves para ilustrar a base do mito do vampirismo: vida-morte - vida através do sangue - morte ao perder sangue... Revendo a mitologia judaica, encontrei um nome que muito significou para mim e para a própria história do vampirismo. A rainha das trevas, o lado oculto da lua, Lilith, a filha legítima de Satã e a primeira esposa de Adão! Lilith!...

Lilith será sempre a mais bela das belas, a mais fogosa, a mulher mais deliciosa do mundo, o símbolo absoluto do prazer, o cheiro mais excitante que é o cheiro característico que exala-se abaixo do ventre feminino, o cheiro do mel almiscarado, o cheiro da mulher! Lilith é a mãe primeva dos vampiros e espectros malignos. Lilith foi também esposa de Caim, que logo tornou-se o primeiro assassino que derramou o sangue do próprio irmão, tornando-se também uma espécie de vampiro errante, répobro maldito. Com o surgimento de Lilith, o vampirismo ganha a sensualidade e a conotação sexual que faltava para completar a grandeza de um mito tão forte dentro da cultura humana, ou seja, sem sexo, o vampirismo não teria atrativo suficiente para sobreviver dentro das civilizações do mundo. Os mitos, assim como as crenças em seres que alimentam-se de sangue emergem de vários povos de todo o mundo e em várias épocas da história da civilização. Na Grécia, por exemplo, encontramos citações significativas de vampiros com nomes como "Empusai", "Mormolykiai", "Lamiai" e "Strige". Este último nome, "Strige", significa uma sinistra referência a uma enorme coruja que habitava torres. Este ser tornou-se um monstro noturno equiparado a uma Lilith que atacava somente criancinhas para beber o sangue. "Lamiai" deriva de "Lamia", uma belíssima rainha da Líbia que foi seduzida por Zeus. A mulher deste, Hera, num ataque de ódio e ciúmes castigou Lamia transformando-a num monstro hediondo condenada a habitar cavernas e beber também sangue de crianças como alimento. Vários fatores caracterizam estes monstros sugadores de sangue e um dos pontos mais significativos é que a maioria dos vampiros são seres noturnos, que habitam nas trevas, seres que repelem a luz do sol. O cinema e a literatura ilustrou bastante este universo vampírico, por isso sabemos de antemão que "luz do sol", "alho", "crucifixo" e "água benta", afugentam os vampiros. Queria, porém, desviar o curso natural destas informações, ou melhor, acrescentar costumes de comportamentos sociais com hábitos que muito caracterizam alguns indivíduos como vampiros! Em relação aos últimos dois mil anos de história por exemplo, vemos a vitória do Cristianismo em todo o Ocidente, onde reina ainda uma fé um tanto ultrapassada para a nossa época. Porém, observei o seguinte: que o símbolo do Cristianismo, a "cruz" ou o "crucifixo", demonstra uma vitória e afirmação absoluta sobre qualquer "vampiro" ou "demônio", que repele o símbolo devido "ao poder de Cristo pregado em uma cruz!". Espantosa observação, onde um vampiro passa a ser um "fruto mítico do próprio Cristianismo" para ser apontado como a própria encarnação do mal, um demônio, que representa a oposição a todo o "bem Cristão". Desta forma, toda vez que se mostra um crucifixo a um vampiro, simbolicamente o Cristianismo se afirma como o "sumo bem", regado às vezes com "água benta" ou "óleo benzido" por estúpidos crentes.
Tudo nos leva a crer que somente Cristo e a doutrina pregada pelos seus seguidores é que pode salvar o mundo, o que é de fato também um mito sem a mínima sombra de dúvidas. Com essa gigantesca inversão de valores, sempre a religião Cristã sai ganhando campo, às vezes sobre os mitos mais importantes da humanidade, e assim boa parte da literatura sobre vampiros é de alguma forma fruto deste Cristianismo avassalador que tudo quer dominar para fortalecer a fé. Porém, o mito do vampiro é muito mais antigo que a religião Cristã, ele já pode ser identificado em mitologias pagãs de vários povos do passado, entre gregos, judeus, romanos, orientais, e vários agrupamentos de povos indígenas e de negros, que já falavam de alguma forma sobre "monstros ou cadáveres sugadores de sangue"... Um traço interessante que observei num vampiro moderno são as duas forças pagãs de divindades mitológicas que podem caracterizar esta figura curiosa e incomum. Nietzsche, o filósofo da cultura, identificou duas forças dentro da alma do Homem, uma ele chamou de "Apolínea", a outra ele chamou de "Dionízica". Em sua obra "A origem da tragédia", este complexo e aprofundado estudo pode ser melhor compreendido ao reservarmos obrigatoriamente ou por simples prazer, algum tempo para a leitura desta obra singular. O perfil "apolíneo" de um vampiro está muito além à regra de um homem comum, ao contrário, ultrapassa este num radicalismo seguido à risca! A postura aristocrata e nobre de um vampiro distingue-se das outras pessoas comuns, seu porte físico, seus traços de rosto, seus olhos, mãos, cabelos, tudo em se tratando de corpo é de porte elevado e misterioso. Um gosto por arte e acabamento estético dão aquele toque "diferente" na casa ou castelo de um vampiro. Pinturas do romantismo, referências ao helenismo greco-romano em artes, colunas e pilares de sustentação em estilos jônicos-dóricos-coríntios, cortinas vermelhas simbolizando paixões, gosto por profundas leituras de livros raros de autores célebres, prazer absoluto no culto ao conhecimento, ao estudo pontificado, meditado, a transformação nas palavras em argumentos filosóficos e referências de literatura ou poesia nas conversações. Esta postura e este gosto pelo belo que todo vampiro aspira, é manifestação de cunho apolíneo em graus elevados de poder! Tudo que embeleza a vida, ofereça conforto absoluto e segurança, grandeza de cultura, por detrás de todas estas manifestações à luz apolínea, a força e o poder de Apolo como exemplo de equilíbrio permanente. O traço "dionízico" de um vampiro também é explicitamente visível no gosto por sexo, por orgias e paixões desenfreadas, busca incessante de companhia para os prazeres, o desejo ardente de sedução, os beijos de fogo, a fúria cega na busca eterna de noivas, e por fim, a conquista de uma só musa bela, sensual, nobre, submissa, verdadeira nos encantos doces de um belo corpo harmonioso, jovem, muito jovem e cheia de vida e calor para fundir-se no deleite supremo do gozo e da vampirização absoluta! Apolíneo e dionízico, dois traços marcantes na alma de um vampiro identificando estas curiosas personalidades com seus respectivos gostos e aspirações muito além do homem comum. Este, condenado a errar até a morte num raciocínio senso-comum que o limita e reduz seu campo de conhecimento e compreensão do mundo e civilização. Mas espantoso mesmo é o traço lúgubre do vampirismo que aparentemente está em contradição com o que acabei de descrever, mas aí é interessante notar que o vampiro é um ser que resiste à ação do tempo e às transformações sociais. Se seu castelo está em ruínas devido às guerras e à corrente dos séculos, resistiram porém estas ruínas impondo-se ainda, com o perfil radical de uma raça dominadora que impôs um dia na linha do tempo a marca da sua maneira de ser no mundo! Vlad Tepes hoje é apenas uma referência histórica para fortalecer um personagem de literatura, mas os castelos que habitou no tempo em que reinou, as ruínas que emergem do alto dos rochedos são ainda uma realidade visível a quem visitar a Romênia nos dias de hoje! Já falei sobre Vlad Tepes Dracul em um outro escrito mais específico onde pudemos rever algumas maneiras "diferentes" de se fazer justiça no mundo, e como seria gratificante ver esta justiça "Draculesca" se abater radicalmente sobre todos estes bandidos marginais que barbarizam as sociedades modernas, estes assaltantes, estes ladrões violentos, estes anti-helenicos por natureza, esta choldra de inúteis serem todos, torturados com fogo, empalados com estacas pontiagudas com mais de dois metros de comprimento, ou serem esquartejados vivos, esfolados e cozidos em enormes panelas de ferro! Lembremos dos relatos medievais escritos por Ambrosiu Huber em 1499 na cidade alemã de Nuremberg, onde Drácula, o calamitoso, espalhava o terror da sua lenda com as atitudes reais e ferrenhas de uma justiça horripilante e assustadora, mas que funcionava de verdade! Drácula é a manifestação absoluta do mito do vampirismo, é o vampiro por excelência, o símbolo superior que jamais será destruído, pois é a própria força da vida eterna conquistada! Não existe meio termo, ou se cultua Drácula ou odeia este mito como o diabo odeia a cruz, ou se identifica com Drácula ou será apenas mais um perdido no meio da massa humana dos grandes aglomerados em número! Que símbolo mais ousado e másculo do que a imagem do vampiro criado por Bram Stocker?
Por certo o dandy da Irlanda não imaginaria a proporção que ganhou o seu personagem do romance publicado em 1897, uma das obras mais horripilantes escritas em língua inglesa, o livro "Drácula" vem sendo lido e relido a todo instante no mundo todo por adolescentes e adultos! Eu mesmo confesso que li o livro nos meus gloriosos dezesseis anos de idade pela primeira vez e de lá para cá já reli de oito a dez vezes mais ou menos! Todo homem que sonha com as mais belas jovens cheirando água de flores, que sonha com as virgens impossíveis, ideal helênico de beleza clássica feminina, o sonho perdido com um número considerado de ninfas, todas estas fantasias oriundas de uma mente esclarecida e bem resolvida em questões de prazer, tem na imagem do vampiro a realização plena destes desejos reprimidos e sufocados pela falsa moral, tem no vampiro a transferência e a canalização direta dos próprios anseios eróticos que sufocam os moralistas ingênuos e as beatas frígidas castradas por preconceitos medíocres impostos por gente que no fundo é inimiga da vida e do prazer. Um vampiro é uma espécie de "super-homem" que Zaratustra tanto falou, porém não é o "super-homem" em sua plenitude, pois é um ser diferente no perfil do comportamento e da personalidade que classifica-o como "um super-homem misterioso". Muitos de nós, cultuadores do vampirismo e da feitiçaria, magos, bruxos, ocultistas, goticistas e dandys, identificamo-nos com o perfil de um vampiro exatamente porque este personagem é a projeção absoluta de tudo aquilo que gostaríamos de ser! Acreditando nessa filosofia, vamos na medida que adquirimos conhecimento das verdades, tornando-nos espécies raras de vampiros! O vampirismo passa a ser uma maneira exótica de pensar e agir num mundo repleto de riquezas e prazeres diversos que precisam serem conquistados, afinal chega o grande momento na vida onde temos que decidir por nossos gostos e desejos e só no universo do vampirismo estaremos plenamente realizados, e vingados de todo o mal que a realidade comum nos tem feito todos estes anos! "Juventude eterna" e "poder sobre os outros", somente aqui um reino e harém aos nossos pés como "bon vivants" que somos, passaríamos o nosso tempo desfrutando prazeres que somente os vampiros podem gozar! A transgressão ao pensamento dominante cristão de "fraternidade", "perdão", "piedade", "igualdade social" e todas estas mentiras convencionais na moderna civilização, prevalecerá na filosofia do culto ao vampirismo como a rebeldia aristocrata por excelência! Nelson Liano Jr., em sua célebre obra "Manual Prático do Vampirismo", traça um perfil bastante singular sobre a filosofia do vampirismo. Quando estudei este livro, imediatamente classifiquei-o como um dos melhores trabalhos já escritos sobre um assunto tão complexo. Ali o autor abordou a essência do vampirismo de uma maneira perfeita em linguagem histórica e poética aprofundando neste obscuro universo onde orgias com ninfetas em rituais e sabás são realizações comuns aos neófitos iniciados.
As fantasias sexuais são os impulsos que precisamos para renascermos outra vez, mais humanos e mais saciados dos nossos desejos, que é a coisa mais importante da vida. "Só o prazer e a juventude valem a pena nesta vida", ensinou-nos também o genial escritor irlandês Oscar Wilde. Nestes rituais secretos, escondidos, pois tudo que é escondido é mais gostoso de fazer, ali o vinho era também um símbolo de comunhão, mas antes mesmo do vinho, o sangue humano era uma bebida ideal! Mas a verdadeira maldição pode estar em um sangue sujo, contaminado com infecção venérea, sífilis ou HIV por exemplo, desta forma, o líquido mais precioso que existe pode oferecer uma morte eterna àquele que ingerir tal beberagem! Atualmente uma orgia vampiresca é coisa raríssima de ocorrer, e o sangue é substituído por vinho quando ocorre tais deleites, onde os mais ousados se entregam aos prazeres... O próprio Cristo em sua ceia com os apóstolos, realizou na última noite um ritual fantástico de vampirismo simbólico, dando seu próprio sangue, substituindo por vinho em uma taça, aos doze apóstolos escolhidos para compartilhar do interessante ritual! "Tomai e bebei todos vós, este é o meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por mim, por vós e por todos os homens, para o perdão dos pecados, faço isso para celebrar a minha memória!". Aqui, nestas profundas palavras, o iniciado Jesus Cristo realiza um ritual pacto, onde o sangue está presente para ser bebido... Seu corpo que é simbolizado por um pão, será devorado também pelos apóstolos, numa comunhão, onde nos lembra simbolicamente um ritual de antropofagia que remonta há mais de 60 mil anos, onde se celebrava um culto primitivo ao redor do fogo! A mística da "Santa Ceia", pintada por Leonardo da Vinci na parede de um grande refeitório do Mosteiro de Santa Maria Delle Grazie, em Milão na Itália, entre os anos de 1495 e 1498, expressa um verdadeiro clima de agitação ao revelar a Jesus que um dos que ali estavam iria traí-lo! O sal derramado na mesa é o símbolo desta traição... O vinho tem a cor do sangue e o misticismo que remonta às próprias mitologias pagãs. Baco é o deus do vinho, logo a embriaguês, a dança e o prazer, são a glorificação da própria vida. Ingerir vinho (sangue simbólico) é reviver ou ressuscitar do tédio, spleem que é uma espécie de morte psicológica, é embriagar-se de vida!... Por todos os lugares que passei, com todos os homens que conversei, encontrei neles um desejo ardente por possuir deliciosas ninfas e mulheres sensuais, fogosas, fartas, delicadamente doces, selvagemente perversas! Em todos vi a frustração, a impotência perante o harém perfeito que é o mundo e a diversidade da realidade. Em todos estes homens, os mesmos queixumes, as mesmas fraquezas, as mesmas taras, os mesmos desejos de serem mais viris, os que mais gozam com um maior número de mulheres possíveis, todos tarados, todos sonhando com orgias impossíveis, nenhum exemplo prático, concreto, como um verdadeiro Sade ou Byron, nenhum Sultão, nenhum Casanova, nenhum César, nenhum Napoleão, nenhum Drácula! Todos bem abaixo do verdadeiro papel de homem! Toda orgia, por mais ou menos requintada que seja, pertence ao culto do vampirismo, aos que vivificam esta maneira de ser e de agir no mundo. Só os vampiros são capazes de se realizarem plenamente porque fazem do prazer e da juventude um culto supremo. Os homens comuns praticam sexo apenas e pronto, por ali se resumem as suas aspirações, não vão além de um gozo comum e natural que também foi um presente da natureza. Estes impõem-se, como somente eles que fossem os eleitos, sendo que todo o reino da natureza é regido por esta força natural! Ou seja, "nada de novo debaixo do sol". Mas quando mergulhamos na ilusão ou realidade do culto do vampirismo, abrimos novos campos para o prazer sexual e estético, então é revelado a nós de uma maneira muito especial que o prazer e o sexo são uma prática sagrada e milenar, que a fantasia abre os caminhos para multiplicarmos este tesouro que a natureza nos deu. Então, através da estética, ficamos mais exigentes até depararmos de fato com o "belo", a beleza humana em si mesma. Só se torna vampiro quando se descobre de fato o que é belo, então vem a necessidade apurada da grande conquista, da sedução vampírica, da posse física daquilo que de fato é vida! Existem casos de mulheres mais velhas apaixonarem-se por garotos mancebos. Estas espécies de "vampiras" não buscam mais do que gozar o pleno vigor físico e a jovialidade dos mancebos de forma absoluta! E tudo elas fazem em matéria de sexo, iniciando estes jovens às verdadeiras loucuras eróticas onde a regra é o sexo livre, para a sorte absoluta dos eleitos por "Vênus". Teoricamente, o vampirismo se apresenta por mais de mil maneiras diferentes de interpretação, desde aquele goticismo sinistro e fantasmagórico até as mais excitantes maneiras e modos de erotismo e masoquismo, onde os neófitos atingem orgasmos através de dor e tortura. Tudo de mais profundo e criativo do imaginário humano compõe o cenário do vampirismo. O célebre e genial Graça Aranha fez algumas importantes observações a respeito do medo no ser humano, em sua dissertação sobre "A função psychica do terror". Ele nos relata o seguinte: "Não é somente por uma manifestação physica retrógrada que o terror reside no homem, é também pelo retrocesso à alma antiga dos antepassados, reação em que a cultura adquirida se esvai, como a luz solar no mistério da infalível noite. Esse retrocesso à sub-consciência se acentua na vida coletiva, nas sociedades humanas, em que o estado de aglomeração faz despertar os instintos selvagens dos antropóides e homens primitivos que viviam em tribos. Outra causa do medo é a dor, antes do sofrimento moral, a dor física agindo nos centros nervosos do animal determinando o pavor do desconhecido e no homem cria o sentimento da morte."
A imagem sinistra de um vampiro desperta nos homens este medo antigo pelo desconhecido, pelo ser excêntrico que o ameaça por diferentes formas transfiguradas no seio da escuridão. O vampiro tradicional das páginas da literatura é o ser mais horripilante que pode existir, nas palavras, nos gestos, na imagem e no perfil, o vampiro equivale à mil homens em força e inteligência! O vampiro sabe das verdades, conhece os tesouros do mundo, o valor do que é belo, o valor da beleza em si, por isso arrisca, por isso sai todas as noites à luta por uma presa de pele de seda e ventre aveludado, aspira o perfume ideal a sua tara ancestral e precisa gozar até o êxtase, sugando o sangue do pescoço ou pulsos da vítima. Aqui, como todos sabem, é uma espécie de símbolo esta mordida vampiresca que no fundo representa sempre uma selvagem relação sexual. O que são as orgias depravadas dos filmes pornográficos senão a plena realização de instintos vampirescos de cunho perverso e escarnecedor?
As estrelas desses filmes, escolhidas a dedo, são a encarnação da própria beleza em si mesma, e o que é belo, arrebata sem piedade, então por alguns instantes nos vemos diante das forças primitivas da natureza auxiliada pela perversão dos que estão atuando por detrás dos bastidores! Mito ou realidade, o vampirismo é esta força indestrutível de sedução, saque, posse, busca, conquista, realização e vitória sobre a morte, e só se vence a morte vivendo a vida intensamente, sem trégua e sem demonstrar fraqueza, avançando sempre em busca de um ideal. Todo misticismo e poesia do culto do vampirismo deve ser preservado e apreciado cada vez mais como fonte de vida eterna e para enriquecer o nosso conhecimento e as nossas fantasias que são as armas que temos para destruir os nossos inimigos e o próprio tédio que se converte em spleem quando esmorecemos o nosso espírito criador.
http://www.bocadoinferno.com/romepeige/artigos/vam.html






Descoberta arqueológica comprova a crença nos vampiros








Uma equipe de cientistas italianos encontrou na Itália uma caveira com um tijolo aparentemente colocado à força dentro da boca, o que indica que se acreditava que o cadáver era de um vampiro. A caveira, de uma mulher, foi encontrada na escavação de uma vala comum onde eram enterradas vítimas de uma epidemia de peste bubônica na ilha de Lazzaretto Nuovo, perto de Veneza, Itália, nos séculos XVI e XVII.
Matteo Borrini, da Universidade de Florença, disse que objetos eram colocados na boca de supostos vampiros na época para impedir que eles se alimentassem dos cadáveres de pessoas enterradas nas proximidades, se fortalecessem e passassem a atacar os vivos.
Borrini, que apresentou suas conclusões na 61ª reunião da Academia Americana de Ciências Forenses em Denver, nos Estados Unidos, disse que, na época da epidemia, muitos acreditavam que a doença era propagada por vampiros.
Marcas de mastigaçãoSegundo ele, na época da epidemia de peste, os coveiros reabriam constantemente a vala para enterrar os corpos de novas vítimas e encontravam cadáveres que eles suspeitavam ser de vampiros.
Os suspeitos costumavam ser identificados por sinais como “marcas de mastigação” no tecido em que os corpos eram envoltos. De acordo com Borrini, estas marcas eram causadas por sangue e outros fluidos corporais que às vezes eram expelidos pela boca dos mortos, fazendo com que o tecido parecesse afundar entre as mandíbulas e romper-se.
Borrini disse que este pode ser o primeiro ritual de “exorcismo de vampiro” confirmado por evidências arqueológicas e analisada com conhecimentos médicos e técnicas forenses. Entretanto, Peer Moore-Jansen, um especialista da Universidade Estadual de Wichita, no Kansas, afirma que encontrou esqueletos similares na Polônia, indicando que a descoberta não é pioneira.
Veneza foi muito afetada pela chamada peste negra, que atingiu a cidade por volta de 1630. Estima-se que a epidemia matou até 50 mil pessoas de uma população de 150 mil.










Livro que satiriza a série Crepúsculo é lançado nos EUA

Entrando na onda da febre dos livros de vampiros, o The Harvard Lampoongrupo de publicação ligado à universidade de Harvard, está lançando nos Estados Unidos o Nightlight, uma sátira direta à popular série Crepúsculo,de Stephenie Meyer.A história de Nightlight se passa na cidade de Switchblade, onde Belle Goose, uma garota decidida a viver um grande amor com um morto vivo, descobre sua alma gêmea em Edwart Mullen, um nerd de carteirinha com zero de interesse em garotas.Depois que Edwart salva Belle de uma mortífera bola de neve, a protagonista chega à única conclusão lógica: ele é um vampiro cavalheiresco pelo qual sua alma ficará acorrentada para sempre. Mas como ela pode agora desgrudar Edwart do computador para que ele possa mordê-la e torná-la sua parceira imortal para a eternidade?Segundo a descrição encontrada no livro, Nightlight traz romance, perigo, excesso de adjetivos, formatura de vampiros e uma garota obcecada buscando amor nos lugares mais equivocados.Não é a primeira sátira literária do grupo, que lançou em 1969 Bored of the Rings algo como Entediado do Anel -que brincava com a trilogia do anel, de J. R. R. Tolkien.Infelizmente para fãs e detratores da série, Nightlight não possui previsão de lançamento no Brasil.
*
*
Perdoem-me os fãs de Crepúsculo, mas vampiros cheios de consciência e humanidade, que PREPARAM um jantar para a humana que namora o politicamente correto vampiro adolescente da casa, não dá né?!
Crepúsculo não precisa de paródia, a própria série já é uma paródia. Vampiros purpurinados com abstinência sexual, é preciso muito senso de humor pra inventar essas coisas.
Aqueles acostumados aos olhos injetados de sangue e frieza facial de Christopher Lee, a seriedade e assustador envolvimento de Bela Lugosi, sem falar nos super fodões de 30 dias de noite, Nosferatu, e outros, fica chocado com o "visão" fraquinha que se tem dos vampiros nesta série ...livros e filme!

Bella e Edward Cullen o "vampiro"
*
*
Mais uma produção purpurinada
The Vampire Diaries
The Vampire Diaries é uma série de tv americana baseada nos livros de terror e romance de Lisa Jane Smith sobre a vida de uma garota chamada Elena Gilbert que se vê às voltas com dois irmãos vampiros, Stefan e Damon Salvatore.
É o mesmo caso de Crepúsculo, um vampiro cheio de "história pra contar" resolve escrever tudo num diário....e ainda fica decepcionado pelas atitudes "crimiosas" do irmão....ai,ai...
*
*
*
Esses são os terrores da noite, sem um pingo de purpuina! Vida longa aos vampiros!!!!!



















*
*
*

Vampirismo Energético



Na verdade, quase todos nós, num momento ou outro de nossas vidas, quando nos encontramos em um estado de desequilíbrio, acabamos nos tornando Vampiros de energia alheia.
Tipos de vampiros:

Mas, como identificar estas pessoas, ou estes vampiros? Em estudos feitos, foram identificados DEZ TIPOS de vampiros (você provavelmente conhece mais de um): Quais as principais características deles? Como combatê- los?

1) Vampiro Cobrador: Cobra sempre, de tudo e todos. Quando nos encontramos com ele, já vem cobrando o porque não lhe telefonamos ou visitamos. Se você vestir a carapuça e se sentir culpado, estará abrindo as portas. O melhor a fazer é usar de sua própria arma, ou seja, cobrar de volta e perguntar porque ele não liga ou aparece. Deixe-o confuso, não o deixe retrucar e se retire rapidamente.
2) Vampiro Crítico: é aquele que critica a tudo e a todos, e o pior que é só critica negativa e destrutiva. Vê a vida somente pelo lado sombrio. A maledicência tende a criar na vítima um estado de alma escuro e pesado e abrirá seu sistema para que a energia seja sugada. Diga "não" às suas críticas. Nunca concorde com ele. A vida não é tão negra assim. Não entre nesta vibração. O melhor é cair fora e cortar até todo o tipo de contato.
3) Vampiro Adulador: é o famoso "puxa-saco". Adula o ego da vítima, cobrindo-a de lisonjas e elogios falsos, tentando seduzir pela adulação. Muito cuidado para não dar ouvidos ao adulador, pois ele simplesmente espera que o orgulho da vítima abra as portas da aura para sugar a energia.
4) Vampiro Reclamador: é aquele tipo que reclama de tudo, de todos, da vida do governo, do tempo, etc. Opõe-se a tudo, exige, reivindica, protesta sem parar. E o mais engraçado é que nem sempre dispõe de argumentos sólidos e válidos para justificar seus protestos. Melhor tática é deixá-lo falando sozinho.
5) Vampiro Inquiridor: sua língua é uma metralhadora. Dispara perguntas sobre tudo, e não dá tempo para que a vítima responda, pois já dispara mais uma rajada de perguntas. Na verdade, ele não quer respostas e, sim, apenas desestabilizar o equilíbrio mental da vítima, perturbando seu fluxo normal de pensamentos. Para sair de suas garras, não ocupe sua mente à procura de respostas. Para cortar seu ataque, reaja fazendo-lhe uma pergunta bem pessoal e contundente, e procure se afastar assim que possível.
6) Vampiro Lamentoso: são os lamentadores profissionais, que anos a fio choram sua desgraças. Para sugar a energia da vítima, ataca pelo lado emocional e afetivo. Chora, lamenta-se e faz de tudo para despertar pena. È sempre o coitado, a vítima. Só há um jeito de tratar com este tipo de vampiro, é cortando suas asas. Corte suas lamentações dizendo que não gosta de queixas, ainda mais que não elas não resolvem situação alguma.
7) Vampiro Pegajoso: investe contra as portas da sensualidade e sexualidade da vítima. Aproxima-se como se quisesse lambê-la com os olhos, com as mãos, com a língua. Parece um polvo querendo envolver a pessoa com seus tentáculos. Se você não escapar rápido, ele irá sugar sua energia em qualquer uma das possibilidades: Seja conseguindo seduzi-lo com seu jogo pegajoso, seja provocando náuseas e repulsa. Em ambos os casos você estará desestabilizado, e, portanto, vulnerável. Saia o mais rápido possível. Invente uma desculpa e fuja rapidamente.
8) Vampiro Grilo-Falante: a porta de entrada que ele quer arrombar é o seu ouvido. Fala, absoluto, durante horas, enquanto mantém a atenção da vítima ocupada, suga sua energia vital. Para livrar-se, invente uma desculpa, levante-se e vá embora.
9) Vampiro Hipocondríaco: cada dia aparece com uma doença nova. Adora colecionar bula de remédios. Desse jeito chama a atenção dos outros, despertando preocupação e cuidados. Enquanto descreve os pormenores de seus males e conta seus infindáveis sofrimentos, rouba a energia do ouvinte, que depois sente-se péssimo.
10) Vampiro Encrenqueiro: para ele, o mundo é um campo de batalha onde as coisas só são resolvidas na base do tapa. Quer que a vítima compre a sua briga, provocando nela um estado raivoso, irado e agressivo. Esse é um dos métodos mais eficientes para desestabilizar a vítima e roubar-lhe a energia. Não dê campo para agressividade, procure manter a calma e corte laços com este vampiro.
Bem, agora que você já conhece como agem os Vampiros de Energia, vá a caça deles, ou melhor, AfASTE-SE deles o mais rápido possível . Mas, não esqueça de verificar se você, sem querer, TAMBÉM, DE VEZ EM QUANTO... não se transforma um destes tipos de Vampiro...
Vera Caballero (Orientadora Metafísica e Professora de Bioenergia).
*

Fontes de pesquisa:

*

Onde afundar as presas:


Enquete
*
O que você mais odeia nas histórias ( livros, filmes, HQs, etc...) de vampiros? E por quê?
( Pode-se escolher várias opções )
*
1. Vampiros precisam ser convidados para penetrar ambientes particulares.
2. Vampiros tem medo de alho e/ou rosas.
3. Vampiros podem ir e vir, sem convite, a qualquer parte.
4. Vampiros temem cruzes e demais objetos sagrados.
5.Vampiros viram morcegos para voar.
6. Vampiros não podem atravessar água corrente!
7. Água benta "derrete" vampiros.
8. Vampiros são incendiados pelo Sol.
9. Vampiros podem andar à luz do dia.
10. Vampiros respiram e tem batimentos cardíacos.
11. Vampiros podem procriar ( gerar bebês ) com humanos ou outras espécies ( metamorfos, lobisomens,...).
12. Vampiros não respiram e não tem batimentos cardíacos.
13. Uma pessoa recém convertida, pode voltar a ser humana, se seu mestre vampiro for morto e ela não tiver bebido sangue ainda.
14. Vampiros são gentis e cheios de humanidade.
15. Vampiros são sanguinários, embora charmosos.
16. Vampiro não reflete no espelho.
17. Vampiros podem beber vinho ou absinto.
18. Outra... Cite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário