A VIDA É O QUE FAZEMOS DELA!

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Jane Austen





Jane Austen (16 de Dezembro de 1775 - 18 de Julho de 1817) foi uma escritora inglesa proeminente, considerada por alguns como a segunda figura mais importante da literatura inglesa depois de Shakespeare. Ela representa um exemplo de uma escritora cuja vida sem grandes sobressaltos em nada reduziu a estatura da sua ficção.



Biografia


Nasceu na casa da paróquia de Steventon, Hampshire, Inglaterra, tendo o pai sido sacerdote e vivido a maior parte de sua vida nesta área. Ela teve seis irmãos e uma irmã mais velha, Cassandra, da qual era muito íntima.

O único retrato conhecido de Jane Austen é um esboço colorido feito por Cassandra, que se encontra agora na National Gallery em Londres, Inglaterra.


Os seus irmãos, Frank e Charles serviram na Marinha, tendo se tornado almirantes. Em 1801 a família mudou-se para Bath. Com a morte do pai em 1805, Jane, sua irmã e a mãe mudaram-se para Chawton, onde o seu irmão lhes tinha cedido uma propriedade (uma cottage). Esta casa está hoje aberta ao público. Jane nunca se casou; foi noiva de um rapaz muito mais novo que ela, Harris Bigg-Wisley, mas mudou de opinião.

Tendo-se estabelecido como romancista, continuou a viver em relativo isolamento, na mesma altura em que a doença a afeta. Pensa-se que ela poderá ter sofrido de doença de Addison, cuja causa era então desconhecida. Viajou até Winchester para procurar uma cura mas faleceu ali, tendo sido sepultada na catedral.



Obras


Lady Susan (1794, 1805)
Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility) (1811)
Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice) (1813)
Mansfield Park (1814)
Emma (1815)
Abadia de Northanger (Northanger Abbey) (1818) póstumo
Persuasão (Persuasion) (1818) póstumo
Sir Charles Grandison (sua única peça teatral, escrita provavelmente em 1791 ou 1792 e publicada somente em 1980)


Obras inacabadas


The Watsons (1804)
Sanditon (1817)



Juvenília


Love and Freindship (1790)
The History of England (1791)
The Beautifull Cassandra (?)



Representações na televisão e no cinema



Suas obras foram por diversas vezes adaptadas para a grande e pequena tela:


Orgulho e Preconceito

Primeira adaptação em 1940, com Greer Garson e Laurence Olivier nos papéis principais.
Venceu o Oscar de Melhor Direção de Arte em 1941.

A adaptação para a minissérie para a televisão pela BBC de Londres, estrelando Jennifer Ehle, como Elizabeth Bennet, e Colin Firth, como Mr. Darcy. Esta minissérie é considerada por muitos como a melhor e definitiva adaptação do livro para a mídia televisiva e de cinema.
Sua mais recente adaptação, de 2005, tem no elenco Keira Knightley, Matthew Macfadyen, Rosamund Pike, Jena Malone, Donald Sutherland, Brenda Blethyn, entre outros.
Em 2006 foi indicado a 4 Oscars, 3 BAFTA e 2 Globos de Ouro (entre outros), o diretor levou o BAFTA de nova promessa para o cinema.

- Bollywood produziu em 2005 uma versão musical inspirada no romance chamada "Bride and Prejudice" ("Noiva e Preconceito" fazendo o trocadilho em inglês entre "pride" e "bride"), dirigida por Gurinder Chadha.

Razão e Sensibilidade
Há cinco adaptações, sendo que a mais conhecida é a versão cinematográfica de de 1995, dirigida por Ang Lee. Contou no elenco com Emma Thompson, Kate Winslet, Hugh Grant e Alan Rickman.

Ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado em 1996.

- Está em pré-produção "Sense and Sensibilidad", versão latina dirigida por Fina Torres.

Persuasão
Há quatro adaptações conhecidas do romance, todas para a televisão:

1960, Reino Unido, dirigida por Campbell Logan;
1971, Reino Unido, dirigida por Howard Baker;
1995, EUA, dirigida por Roger Michell (considerada pelo Internet Movie Data Base como a melhor adaptação até o momento);
2007, EUA, dirigida por Adrian Shergold.

Emma
Há várias adaptações deste romance, mas a mais conhecida é a de 1996, dirigido por Douglas McGrath e estrelado por Gwyneth Paltrow, James Cosmo, Alan Cumming e Toni Collette.

Palácio das Ilusões
O Internet Movie Data Base lista três adaptações de "Mansfield Park" para TV ou cinema. A única adaptação cinematográfica é de 1999, EUA, dirigida por Patricia Rozema. As outras adaptações foram feitas para a TV.

Northanger Abbey: A Abadia de Northanger
As duas adaptações conhecidas foram produzidas para a TV, uma em 1986 (dirigida por Giles Foster, co-produção EUA/Reino Unido) e a outra em 2007 (dirigida por Jon Jones, EUA).

Becoming Jane*
Filme sobre a adolescência e início da vida adulta de Jane Austen.Ao qual dá ênfase ao seu suposto amor com Thomas Langlois Lefroy,este que teria inspirado Jane em seus romances.

Miss Austen Regrets*
O filme retrata os ultimos anos da escritora, que tenta ajudar a sobrinha a encontrar um marido. Ainda sem tradução no Brasil, o filme de 2008 mostra em forma de flash back, as possíveis decepções amorosas de Jane Austen. Dirigido por Jeremy Lovering





Orgulho e Preconceito







O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, Kity, Lydia, Jane e Mary, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo.
Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma das suas filhas. De fato, ele parece interessar-se bastante por Jane, sua filha mais velha, logo no primeiro baile em que ele, as irmãs e o Sr. Darcy, seu amigo, comparecem.
Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito pouco sociável e taciturno é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram.
A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. Muitas reviravoltas, ocorrrem a partir dai, e eis que surge um amor, nascido em meio á antipatia. Lizzy descobre a verdadeira face de seu amado, boa e nobre, e os segredos que o levam a ter este carater duro, que é mal visto por todos, terminando em um grande amor entre os dois, o que causa grande admiração para ambas as familias.

A obra literária de Jane Austen deu ao romance inglês o primeiro impulso para a modernidade, ao tratar do cotidiano de pessoas comuns. De aguda percepção psicológica, seu estilo destila sempre uma ironia sutil, dissimulada pela leveza da narrativa. Orgulho e Preconceito (1797) é a obra mais conhecida da autora. Jane Austen mostrou como o amor entre os protagonistas era capaz de superar barreiras de orgulho e preconceito, a diferença social entre eles e o escasso poder de decisão concedido à mulher na sociedade da época.






Nenhum comentário:

Postar um comentário