A VIDA É O QUE FAZEMOS DELA!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Stan Lee

Stan Lee nasceu no apartamento dos seus pais, imigrantes romenos-judeus, na esquina da Rua West 98th com a Avenida West End, em Manhattan. O pai dele, que era alfaiate, não conseguia emprego devido a Grande Depressão que assolava o país e se mudou com sua família para um bairro mais pobre da cidade, chamado Washington Heights. Quando Lee tinha nove anos, nasceu seu único irmão, Larry Lieber. Lee freqüentou o colégio DeWitt Clinton, no Bronx, pra onde sua família se mudou em seguida. Lee era um leitor voraz, que adorava escrever quando adolescente e começou a vida de trabalho em empregos como escrever obituários para um serviço de notícias do Centro Nacional de Tuberculose (o_O); entregar sanduíches; office-boy de uma fábrica de calças; lanterninha do Rivoli Theater e até vendedor de assinaturas para o jornal New York Herald Tribune. Ele se formou no ensino médio cedo, com 16 anos. Então, se juntou ao WPA Federal Theatre Project. Com a ajuda de seu tio, Robbie Solomon, o cunhado do editor de quadrinhos Martin Goodman, Lee começou como assistente na recém-criada Timely Comics, uma divisão da companhia do Goodman. Essa Timely, algumas décadas mais tarde, se tornaria o que conhecemos hoje como Marvel Comics. Ô! =D Pouco tempo mais tarde, Lee foi oficialmente contratado por Joe Simon, editor da Timely. O primeiro trabalho publicado por Lee foi um texto na revista Captain America Foils de Traitor´s Revenge, em maio de 1941, onde o seu pseudônimo (que virou seu nome oficial, mais tarde) surgiu pela primeira vez. De acordo com Lee, ele queria “guardar seu nome para trabalhos mais literários”. Que beleza! Então, de “redator quebra-galho”, Lee subiu de cargo duas edições mais tarde. Quando Joe Simon e seu parceiro Jack Kirby fecharam o pau com Goodman, Stan virou Editor da Timely… Com apenas 19 anos. O tino comercial que Stan Lee possuía o manteve no cargo por um bom tempo, até que virou Editor-Chefe e, em 1972, substituiu Goodman. Mas calma, muita coisa antes aconteceu. =] Em 1942, Stan Lee entrou para o Exército. Lá, ele escreveu manuais, cuidou de filmes de treinamento e slogans… fazendo desenhos de vez em quando. A classificação de Lee no exército, “playwright”, só foi dada para apenas nove homens em todo o exército estadunidense… Que coisa! Três anos depois, Lee estava de volta. No começo da década de 50 (a editora já era chamada de Atlas Comics), uma “campanha em prol da decência”, liderada pelo psiquiatra Dr. Frederic Wartham e pelo senador Estes Kefauver culpou os quadrinhos por “corromper os jovens leitores com imagens de violência e sexualidade”. Dessa palhaçada surgiu o tão temido Comics Code, que até hoje preenche o saco de muita gente. Nesse período, Lee escreveu histórias de vários gêneros, como romance, velho oeste, humor, ficção científica, aventuras medievais, terror e suspense. No fim da década, Lee (agora morando com sua família em Hewlett Harbor, Nova York), A Revolução Marvel No fim da década de 50, o editor Julius Schwartz, da DC Comics, conseguiu reviver o gênero “Super-heróis” e começou a ter relativo sucesso com a nova versão do Flash e, mais tarde, com a Liga da Justiça da América. Em resposta, Goodman pediu que Lee criasse uma super-equipe pra bater de frente com isso. Como ele já estava pensando em sair do ramo, resolveu seguir a sugestão de sua esposa e fazer algo completamente diferente do que já estava sendo feito. Os heróis de Lee, então, surgiram como seres humanos nada perfeitos e cheios de defeitos, como qualquer outra pessoa. Eles poderiam ser nervosinhos, estressados, melancólicos, vaidosos, egocêntricos… eles tretavam entre si, tinham que se preocupar em como pagar as próprias contas e impressionar as garotas; até mesmo se estrepavam fisicamente, coisa que não acontecia com os outros. Alienígenas indestrutíveis e bilhardários com identidade secreta eram demais. Os heróis de Lee capturaram a imaginação de adolescentes e adultos que foram parte do conhecido “baby boom”, surgido depois da Segunda Guerra Mundial. As vendas levantaram vôo e Lee percebeu que tinha futuro em seu emprego. Graças a Shiloh! =D O primeiro super-grupo criado por Lee (junto de Jack Kirby) foi o Quarteto Fantástico. A popularidade da família poderosa fez com que a porteira abrisse e, ainda com Kirby, Lee criasse o Hulk, Homem de Ferro, Thor e os X-Men; com Bill Everett, o Demolidor; com Steve Ditko, vieram o Doutor Estranho e o mais famoso de todos: o Homem-Aranha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário